Catalogação

Tipo: Blog

Categorias: experimentos, ilustração, textos

Tags:

Acho que não teve um ano em que estive tão longe da ilustração como ano passado. Engraçado que ano passado também foi o ano em que eu mais ouvi falar sobre minhas ilustrações no SENAI. Mas acho que meu afastamento da ilustração ano passado me fez aproximar de um outro lado do meu trabalho que geralmente era só fundo, as texturas.

Nunca me indaguei sobre o processo de criação e acho que nunca pirei tanto como ano passado. Sempre produzi, é algo inerente a mim desde que descobri isso como um complemento. O produzir que resulta no construir e ai e onde se encontra a paixão. Não pelo conceito, não pelos símbolos, não pelo significado, mas pelo estar com aquilo que resultou.

Esse afastamento drástico do figurativo e o mergulho no abstrato me fez questionar também muito sobre o que pode ser uma matriz ou suporte de trabalho. A matriz ou suporte vejo como algo que tem muito espaço e que pede para ser moldado. Vendo os dois por essa ótica eles se elevam do físico para migrar a qualquer campo e o mais explorado por mim foi o digital. E ai quando chego nesse ponto mais pensamentos me afloram.

O pensamento no abstrato também me fez refletir muito sobre a produção de texturas e como podemos ocupar os espaços com ela. Como a textura é um elemento fortemente presente no bidimensional, que traz uma significância e uma proximidade ao orgânico. E o orgânico hoje pra mim é o controle sem aparência de controle, pois se pensarmos que tudo é uma consequência de ação e reação então aquilo tem um processo de regimento. Só que sua complexidade é tão grande que se perde o aspecto do controle e entra a ilusão do aleatório.

E hoje tracei de novo alguns rabiscos tortos a como tanto tempo não fazia. O voltar a estudar me fez voltar a rabiscar. E a minha busca da mão que não é firme no traço, o traço que não segue seu caminho e a pintura que não segue o nosso mundo. A ilusão do que ta certo e do que ta errado, do que deu trabalho e do que surgiu.

Enfim, termino esse apanhado de pensamentos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *